Infartos podem aumentar 30% no inverno

Os infartos, que são uma doença cardiovascular, ocorrem quando o fluxo sanguíneo para o músculo do coração é interrompido. As doenças cardiovasculares são líderes em morte no mundo, sendo responsáveis por quase 30% das mortes no Brasil. Dentre estas, o infarto é uma das principais causas.

De acordo com um professor associado da USP, Luiz Antônio Machado César, os infartos aumentam 30% durante o inverno. Segundo ele, há três razões principais para o aumento dos ataques cardíacos no inverno: elevação das infecções respiratórias, contração dos vasos sanguíneos e maior produção de substâncias pelo fígado que favorecem a formação de coágulos.

Se a pessoa tem uma doença coronária e pega uma infecção respiratória, as chances de ter um infarto são grandes. Isso acontece por que pode ocorrer o rompimento de uma placa de gordura e assim gerar um bloqueio. No frio, costuma-se ter mais os vasos contraídos, e ocorrer espasmos nas artérias. E se tiver uma placa em uma artéria coronária que tiver um espasmo, pode romper a placa e levar a um infarto.

Uma medida que pode diminuir a ocorrência de infartos é a vacinação contra a gripe. Uma inflamação por causa de uma infecção grave, como a gripe, é um motivo para ter infarto. Por isso, quando se vacinam a população contra a gripe, o idoso é prioridade, porque a medida reduz a taxa de infarto na população idosa. Então, nós da Amor e Cuidado – especialista no cuidado de idosos, recomendamos que todos se vacinem, principalmente os idosos.

Além dos três motivos apontados acima, regiões com muita poluição têm um fator a mais que favorece o surgimento de complicações cardíacas. No caso de São Paulo, tem a poluição que aumenta, e existe uma relação: mais poluição, mais infarto. Estudos também indicam que o frio, além dos infartos, pode elevar a ocorrência de AVC, ou derrame.