Hipertensão na terceira idade

A pressão alta, ou hipertensão, é uma doença crônica que atinge qualquer faixa etária, classe social, sexo ou etnia. Por ser silenciosa, quando detectada, pode já ter causado danos em órgãos como o coração e rins. Mesmo ocorrendo em qualquer faixa etária, não há dúvida de que a incidência da hipertensão aumenta com o envelhecimento. Aproximadamente 50% dos homens e mulheres acima dos 50 anos têm pressão alta. Aos 60 anos, a taxa sobe para 60%. E, dali por diante, não para de crescer. Alguns especialistas até afirmam que, depois de certa idade, é quase normal ter pressão alta. Recentemente uma pesquisa feita por cientistas chegou à conclusão de que os valores da pressão arterial para pessoas com mais de 60 anos pode ser um pouco maior que a medida considerada normal: 15 x 9.

Mas por que a pressão arterial sobe com a idade? Esse fato pode ser explicado devido ao cálcio que se adere nos vasos sanguíneos com o passar dos anos, fazendo com que esses vasos fiquem mais rígidos e estreitos, e assim, consequentemente, ocorre o aumento da pressão do sangue. Por isso a taxa de jovens com hipertensão é menor que a de idosos. Se o idoso estiver em um estado pré-diabético (100 a 125 de glicemia) é um outro fator que pode fazer com que a pressão arterial suba, por que os idosos podem ter uma descarga maior da insulina que o próprio organismo produz, e assim, substâncias que agem no cérebro e aumentam a absorção de sal pelos rins serão liberadas, o que acaba gerando hipertensão.

Conhecida como “assassina silenciosa”, a hipertensão é uma doença traiçoeira que não possui cura, mas quando descoberta pode ser controlada. Por isso é sempre importante estar verificando para não ser pego de surpresa e evitar complicações mais graves.